Ir para o conteúdo [1]

Diversidade em conselhos passa a ser obrigatória em empresas da Nasdaq

Compartilhe: google-plus linkedin print
Foto de duas mulheres e um homem sentados à mesa de um escritório, e entre elas, há mais um homem, este está em pé, e indica com a mão esquerda algo em um papel que está sob a mesa.

É aprovada pela Securities and Exchange Commission, órgão de regulação do mercado norte-americano de ações, medida que obriga que empresas listadas na Nasdaq tenham um conselho com, no mínimo, duas lideranças consideradas diversas, sendo uma mulher e outra pertencente a um grupo minorizado, como pessoas negras ou da comunidade LGBTIQ+. O prazo para adequação é de dois a cinco anos.

A regra passa a valer também para as corporações estrangeiras, e permite que as vagas sejam preenchidas apenas por executivas. Entre as cerca de três mil empresas listadas na Nasdaq, há, ao menos, nove brasileiras.

Com a aprovação da proposta neste mês de agosto, o presidente da SEC, Gary Gensler, disse em comunicado: “Essas regras permitirão que investidores obtenham uma melhor compreensão da abordagem das empresas listadas na Nasdaq em relação à diversidade do conselho”.

A mudança deve impactar positivamente mercados de outros países, além de reforçar que investir em diversidade não é apenas uma questão ligada aos recursos humanos.

“A inclusão precisa ser uma nova forma de fazer negócios. Vai ser preciso divulgar os dados das pessoas que compõem os conselhos para que a gente possa ter mais segurança nos investimentos em empresas de capital aberto, conectados com a agenda ESG”, diz Ana Bavon, CEO da B4People Cultura Inclusiva, em entrevista ao Estadão sobre o tema.

“Se a SEC dá aval para a Nasdaq exigir diversidade no conselho, isso daqui a pouco vai acontecer na nossa B3 (Bolsa de Valores de São Paulo) e em todas as outras bolsas, porque é uma tendência global. Estamos sobrepondo um paradigma obsoleto e excludente e entrando em um novo que conecta as coisas,” avalia a executiva.

No Brasil, o número de mulheres nos conselhos tem crescido desde 2014, mas ainda está abaixo dos índices internacionais. Segundo o Estudo de Conselhos de Administração 2020, feito pela consultoria Korn Ferry, elas ocupam apenas 14% das cadeiras dos conselhos. Os setores com maior presença feminina são consumo, varejo e tecnologia.

Com informações do Estadão.

Dicas para aumentar a presença feminina na liderança

Mais mulheres em cargos de liderança é uma urgência global e exige metas ousadas para resultados significativos. Baixe nosso e-book “Atração, Desenvolvimento e Promoção de Lideranças Femininas” e saiba como criar estratégias que aceleram o avanço desse processo.

Ouça também o nono episódio do MM360Cast sobre práticas de mentoring e sponsorship, iniciativas consideradas essenciais para preparar mulheres para assumirem cargos de liderança. Nossas associadas Citibank, Kantar e KPMG compartilham experiências e práticas para o desenvolvimento desse tipo de programa. Confira!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *