Ir para o conteúdo [1]

Relatório aponta que empresas estão promovendo mudanças ao inserir mais mulheres em cargos de liderança

Compartilhe:

O relatório Women in Business, da Grant Thornton International, apresenta estatísticas de diversidade de gênero de organizações do middle-market (empresas de médio porte) em todo o mundo. O documento mostra que não somente os números estão mudando, mas que empresas estão promovendo mudanças ao inserir mais mulheres em cargos de liderança, além de destacar tendências globais e boas práticas de regiões como América Latina e África.

Muitas recomendações feitas no Plano de Ação da empresa (Blueprint for Action), lançado em 2019, constam no “Women in Business 2020: do plano de ação à prática”.

Sobre o cenário global, a pesquisa trouxe que a porcentagem de mulheres em cargos executivos, por exemplo, se manteve em 29% – praticamente no mesmo nível em relação ao ano passado, e a proporção de empresas com pelo menos uma mulher em cargo de liderança em todo o mundo permaneceu estável, mantendo-se em 87%.

Sobre a realidade brasileira, foi apresentado que houve avanço, tendo 34% dos cargos de liderança representados por mulheres nas empresas de middle-market – superando a média global de 29%. Quando o assunto é o cargo específico representado por mulheres, a diretoria-executiva (CEO) seguiu avançando e atingiu 32%, contra 27% em 2019. Já a diretoria de operações (COO) teve queda de 21% em 2019, contra 16% em 2020. Vale ainda apontar que, dentre as ações realizadas, 35% das empresas demonstraram garantir acesso igualitário a oportunidades de trabalho de desenvolvimento, enquanto apenas 18% relataram vincular recompensas de cargos de liderança ao progresso na questão de gênero.

Dentre os planos de ação na prática, nas empresas, estão garantir o acesso igual a oportunidades de trabalho e criar uma cultura inclusiva para melhorar a diversidade de gênero, e oferecer treinamentos sobre vieses inconscientes. Apesar de todas as iniciativas positivas, 22% das empresas em todo o mundo ainda não tomaram medidas para garantir a diversidade de gênero.

Para saber mais, acesse o relatório na íntegra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *