Ir para o conteúdo [1]

Licença-paternidade pode contribuir para a redução do abandono de carreira por mulheres após maternidade

Compartilhe: google-plus linkedin print
Foto de uma mulher com um bebê no colo, e ao seu lado há um homem com a mão esquerda na criança

Estudo feito pela Fundação Getúlio Vargas aponta que 50% das mulheres ficam fora do mercado formal de trabalho após um ano da licença-maternidade. Segundo a economista e professora da FGV, Cecilia Machado, esse efeito se mantém mesmo cinco anos depois do nascimento da criança.

Para ela, a criação de políticas públicas pode induzir mudanças de comportamento para quebrar esse ciclo e contribuir para a permanência de mães no mercado. Uma das maneiras é dando incentivos para que os homens também saiam de licença por períodos mais longos.

Atualmente, no Brasil, a licença-paternidade é de apenas cinco dias, enquanto em alguns países europeus vai de 91 a 164 dias – um dos motivos para que haja uma diferença tão grande é que para a população brasileira esse período é visto apenas como um direito da mulher, e não da família.

“A partir do momento que as empresas perceberem que os homens vão tirar essa licença, elas não vão mais vê-los como diferentes das mulheres”, avalia Cecilia.

No entanto, transformar a licença-maternidade em uma parental, que é uma prática que algumas companhias já realizam, pode trazer um desafio ainda maior já que os colaboradores podem não aderir à nova política. Segundo ela, é o que acontece nos Estados Unidos, por exemplo.

Quando questionada a respeito da licença estendida e seus benefícios, Cecilia Machado diz que funciona como um “tapa-buraco” por um período. Como as mulheres continuam como principais cuidadoras, é difícil que elas voltem ao mercado. Ao mesmo tempo, avalia que uma licença longa só para elas pode aumentar a resistência de empregadores em contratá-las e promovê-las, agravando a desigualdade entre os gêneros.

“O que encontramos no Brasil é que a extensão da licença não aumenta a chance de a mulher permanecer no mercado de trabalho. Pela informalidade ser maior entre elas, outras soluções para a questão também precisam ser pensadas”, afirma.

Sua organização precisa de apoio para avançar neste tema? Confira em nosso Banco de Práticas alguns insights de como empresas associadas ao Movimento têm se tornado Family Friendly e, ao mesmo tempo, contribuindo para a equidade de gênero.

Com informações do portal Bonde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *