Ir para o conteúdo [1]

Como apoiar e reter profissionais mães na sua empresa

Compartilhe: google-plus linkedin print
Foto de uma mulher grávida, em pé, com um tablet nas mãos

Uma nova mãe surge a cada 20 segundos no Brasil, e a partir do momento em que se veem nessa nova realidade, 48% das profissionais decidem sair do mercado de trabalho e só retornam depois de 2 anos. A decisão pode atrasar o desenvolvimento de suas carreiras em, ao menos, 6 anos. Após 18 meses do retorno da licença-maternidade, cerca de 50% das mulheres saem do emprego de forma voluntária ou não. Os dados são da B2Mamy, que capacita e conecta mães ao mercado de tecnologia e inovação, e da Fundação Getúlio Vargas.

Essas informações reforçam o desafio que é conciliar a maternidade com a vida profissional em um mercado de trabalho que ainda não enxerga as potencialidades daquelas que optam por serem mães. Por isso, um dos compromissos do Movimento Mulher 360 é contribuir para uma mudança de cultura dentro das empresas para que essas profissionais sejam reconhecidas por suas habilidades e competências, que muitas vezes são aprimoradas ou desenvolvidas com a chegada das crianças.

Em 2019, o Movimento realizou a pesquisa “A mãe e o mercado de trabalho” em parceria com a Mãe Corporate, onde conclui que há uma grande necessidade de preparar gestores para enfrentar as novas situações que surgirão devido à nova realidade, e demonstrar às colaboradoras mães que elas são valorizadas e que estão seguras. Com os depoimentos das participantes, fica claro que mais flexibilidade é necessária e que a liderança não deve agir como se nada tivesse mudado como, por exemplo, exigir uma jornada de trabalho longa e com horas extras. Mais do que nunca é preciso ouvir e entender quais são as necessidades e mudanças vividas por essas mulheres para criar soluções mais assertivas.

Com base nas melhores práticas empresariais, o MM360 desenvolveu o e-book Retenção de mulheres pós licença-maternidade – como reduzir o turnover de mulheres. Segundo a experiência compartilhada pelas empresas associadas com maiores índices de retenção dessas profissionais, é preciso criar um plano estratégico que contemple desde o anúncio da gravidez, o período da gestação, a licença-maternidade e a volta ao trabalho de forma empática e acolhedora.

Confira algumas das recomendações:

  • Licenças maternidade e paternidade estendidas;
  • Licença adoção e licença para casais homoafetivos;
  • Jornada de trabalho flexível;
  • Política de repetição de desempenho;
  • Benefícios como creche ou auxílio creche.

Faça o download do e-book e confira o conteúdo completo em https://bit.ly/3lpemIj.

Quer mais dicas? Ouça o quinto episódio do MM360Cast e fique por dentro de cases da Mastercard, Johnson & Johnson e Danone. O podcast do Movimento também está disponível no Spotify, Google Podcasts, Deezer e Apple Podcasts.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *