Ir para o conteúdo [1]

Confira dicas para contratar e reter talentos diversificados

Compartilhe:

Empresas com políticas de diversidade e inclusão apresentam melhores resultados financeiros, segundo levantamento feito pela DDI World. Ao analisar os dados de mais de duas mil empresas em 54 países, a pesquisa verificou que as chances de crescimento dos negócios dessas organizações é 1,4 vezes maior em comparação às que possuem equipes homogêneas. No caso da inclusão de mulheres na liderança, segundo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o desempenho das empresas chega a ser 20% melhor.

Os impactos são justamente positivos porque colaboradores com diferentes perspectivas, experiências e habilidades contribuem para um ambiente mais criativo e inovador. Por isso, as companhias que adotam e estimulam a cultura de diversidade e inclusão se destacam e atraem novos talentos.

David Slocum, professor e diretor acadêmico da Rare – iniciativa do Google que dá espaço a talentos sub-representados e desenvolve culturas empresariais mais inclusivas, listou uma série de dicas que as empresas podem adotar para garantir uma equipe mais diversa do momento da seleção, além de como reter esses profissionais, em artigo para o site Think With Google. O Movimento Mulher 360 selecionou algumas delas. Confira:

  • Crie parcerias com universidades e organizações externas para influenciar nas buscas de emprego de candidatos que representem as metas de diversidade;
  • Aumente os pontos de entrada da sua empresa, como estágios remunerados e programas rotativos;
  • Use linguagem imparcial nas descrições de vagas, nos materiais relacionados e durante as entrevistas;
  • Peça feedback de candidatos sobre o processo seletivo, incluindo a descrição da vaga, seleção e demais etapas;
  • Faça pesquisas segmentadas para entender quem são seus colaboradores e crie grupos de trabalho facilitados de forma independente e tendo conversas individuais;
  • Estabeleça metas de inclusão, acompanhe e divulgue os resultados;
  • Busque igualdade salarial e torne transparentes ações, status e resultados obtidos;
  • Melhore os processos de mentoria, incluindo patrocínios e mentoria reversa, feitos por colaboradores de grupos diversos;
  • Garanta que os treinamentos para o desenvolvimento de modos de pensar mais inclusivos e para evitar vieses inconscientes sejam baseados em pesquisas atualizadas e em estudos sobre boas práticas.

“É fácil ter boas intenções e conhecer todos os motivos para se fazer mais. Montar planos de ação inteligentes e tomar atitudes, como promover treinamentos pontuais, é mais fácil ainda. O difícil mesmo é mudar a maneira como as pessoas veem os outros, ou transformar os comportamentos que as impedem de respeitar a diversidade e tornar suas equipes e empresas mais inclusivas. É por isso que todos temos de dividir tanto o que está dando certo, como o que não está, e encontrar maneiras de fazer esses ensinamentos ganharem vida”, ressalta David Slocum em seu artigo.

Para conferir as dicas na íntegra, clique aqui.