Ir para o conteúdo [1]

Plataforma online reúne empreendedores e profissionais liberais negros de todo o país

Compartilhe:

Fortalecer o empreendedorismo negro para geração de negócios e apresentar soluções para as empresas estruturarem suas compras afirmativas com prestadores de serviços e empreendedores negros qualificados em diversas áreas são alguns dos objetivos da AfroBusiness.

A organização, criada em 2015 como um grupo de rede social, cresceu. Hoje é uma plataforma de conhecimento e networking com mais de 7 mil empreendedores e profissionais liberais de todo o país. A iniciativa surgiu por meio da parceria da turismóloga e empreendedora Fernanda Ribeiro, com o publicitário Sérgio All e o advogado Márcio Valêncio, todos negros.

“Quando começamos a conectar os profissionais por meio da plataforma que criamos, identificamos que a maioria deles tinha necessidades que poderiam ser resolvidas com treinamento e capacitações específicas. Por isso começamos capacitando e conectando empreendedores entre eles, para gerar negócios”, explica Fernanda Ribeiro.

Como empreender não é um processo fácil, as adversidades podem aumentar ainda mais quando se trata de empreendedores negros. Ter uma rede de colaboração e apoio dentro de um ecossistema amigável, ajuda a vencer barreiras.

“Empreender tem suas dores e sabores, e cada estágio do negócio apresenta desafios específicos. Quando um negro empreende, encontra os desafios naturais e os mantidos pelas desigualdades étnicas. Sendo assim, sabemos que em algum momento terão que resolver problemas”, diz Fernanda.

Para ajudá-los neste processo, a AfroBusiness conta com algumas frentes de atuação como benchmarking em grandes corporações onde empreendedores são convidados para aprender dentro do universo corporativo; eventos de networking para otimizar os processos de conexão; rodadas de negócios tanto entre empreendedores do mesmo tamanho como entre empreendedores e grandes empresas; plataforma de conteúdo online para compartilhamento de informações sobre empreendedorismo; capacitação voltada para o comércio eletrônico, além de aceleração de pequenos negócios e mentorias.

“Acompanhamos o máximo possível o empreendedor, seja qual for o processo. Especialmente quando o conectamos a grandes empresas. A ideia é que esse processo, que envolve muita diferença cultural, não seja doloroso para nenhum dos lados”, ressalta.

Fernanda explica ainda que quando os empreendedores não atendem aos requisitos solicitados por uma empresa durante um processo seletivo, podem participar de formações com conteúdos baseados nas características solicitadas. Desta forma, são qualificados e poderão aproveitar futuras oportunidades de negócios.

Programa focado nas empresas

Contar com fornecedores diversos é uma maneira de expandir os negócios, empoderar minorias economicamente, reduzir desigualdades, e reforçar a economia local. Para facilitar a conexão de grandes empresas com empreendedores negros, a AfroBusiness criou o Programa E2.

Os profissionais inscritos no programa participam de workshops e mentorias, além de rodadas de negócios e processos seletivos de grandes empresas. Para as organizações também são realizados workshops, há programa de voluntariado, aprofundamento do contexto de compras afirmativas e conexões efetivas.

Todos os conhecimentos partilhados vão para uma cartilha de boas práticas para compras afirmativas. Inclusive, neste momento, está aberta uma pesquisa para descobrir quais são os gaps no processo de compras afirmativas.

“Criamos o Programa E2 pensando em como otimizar ao máximo as conexões entre empreendedores e grandes empresas para proporcionar crescimento e impacto social. Sabemos que quando um pequeno empreendedor cresce, ele gera impacto no seu entorno: investe na educação dos filhos, gera mais empregos, fomenta parcerias com outros empreendedores e, assim, muitas pessoas são atingidas por esse progresso.  Hoje o programa está com uma atuação bem robusta, queremos construir pontes e aprendizados para os dois lados: empresas e empreendedores”, conta.