Ir para o conteúdo [1]

Desafio 100 Mulheres em 100 Dias passará por cinco cidades do país

Compartilhe:
Eliani Figueiró, Vanessa Guimarães, Eleine Passos e Mary Spiagori, integrantes do Elas Projetam.

“Sororidade cura e qualificação empodera”. Este é um dos princípios que norteiam o programa Elas Projetam, idealizado por Vanessa Guimarães. Formada em Letras e com especialização em Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e em Gestão de Projetos, a jovem de 34 anos, que já passou por países como Estados Unidos, Espanha e Portugal, decidiu criar uma rede de mulheres que aposta na qualificação profissional e apoio mútuo para fortalecer a presença feminina no ambiente corporativo.

“Eu vi que havia muita qualidade entre as mulheres da área de gestão de projetos, mas, por acaso, isso só aparecia de forma tímida. Todo mundo concordava que havia mesmo muita qualidade, mas, na hora de dar um exemplo ele não vinha porque faltavam referências. Não por não existirem, mas pelo protagonismo feminino nunca ter sido uma ansiedade na comunidade”, conta Vanessa.

“Era preciso que nós fôssemos muito mais sobre gestão do que mulheres. Mais inovação do que empoderamento. Mais criatividade do que metodologia. E, principalmente, mais impacto do que discurso. Por isso, a aposta do Elas Projetam é qualificação profissional, é desenvolver e promover perfis de mulheres em gestão de projetos por meio da construção de uma rede coesa de mulheres que se apoiem e se alavanquem”, complementa.

Com este objetivo, o Elas Projetam fechou parceria com a ATHEM para oferecer a certificação PRINCE2® Foundation para mulheres nas cidades de São Paulo, Brasília, Cuiabá, Salvador e Florianópolis. A metodologia de gerenciamento de projetos, criada pelo Governo Britânico na década de 70 e presente em mais de 150 países, é uma das mais utilizada no mundo.

Na primeira edição do Desafio 100 Mulheres em 100 Dias, o foco é a certificação em gestão de projetos. A programação conta com diversas ações pensadas na capacitação das mulheres e criação de conexões.

“Trinta dias antes da imersão, todas as participantes receberão acesso a um ambiente online de aprendizagem. Na sexta à noite do fim de semana da imersão, será realizado o workshop de integração ‘Gerenciando seu Potencial’ para conectar o grupo e transformá-lo numa equipe a partir de atividades que empoderam pela empatia. No sábado, teremos um dia inteiro de preparatório para a certificação que será oferecida por uma das nossas voluntárias, com o apoio da ATHEM. A prova será aplicada no domingo à tarde”, explica Vanessa

Após a divulgação dos resultados,  uma comemoração e feita e também uma Embaixadora local é nomeada, com o objetivo de manter o engajamento e conexão do grupo. Caso alguma das participantes não tenha êxito, juntas, com uma equipe formada, uma estratégia é montada para apoiar a mulher na segunda tentativa.

Vanessa diz, ainda, que qualificar profissionalmente sem oferecer ferramentas para as mulheres encontrarem melhores oportunidades e sem referências dentro do mercado de trabalho, não é o suficiente para que elas possam ser protagonistas das suas carreiras.

“O que estamos propondo e disponibilizando é muito mais do que uma certificação ou uma metodologia. É a possibilidade de ampliar a rede por meio de vínculos reais, conexões duradouras entre mulheres que estão em busca de um mesmo objetivo. Essa confluência de propósitos é o que vai fazer toda a mágica: estamos criando referências femininas entre as próprias mulheres. Quando pedirem um exemplo de profissional competente na área, todas terão pelo menos uma turma inteira de outras mulheres que se encontraram na sororidade”, finaliza.

Para mais informações sobre o Desafio 100 Mulheres em 100 Dias do Elas Projetam, e garantir sua vaga, clique aqui.