Ir para o conteúdo [1]

J&J tem programa global voltado a estimular liderança feminina e inclusão há mais de 20 anos

Compartilhe:
Luly de Samper, líder WLI da J&J América Latina

No último dia 28 de junho, Luly Castellanos de Samper, líder do WLI (Women’s Leadership & Inclusion) da Johnson & Johnson na América Latina, esteve no Brasil para um evento do grupo.

Luly é Vice-Presidente para a América Latina da Ethicon, divisão da Medical Devices e trabalha na J&J há mais de 20 anos. Como líder do WLI, atua para promover políticas para o avanço feminino nas posições executivas.

A J&J é uma das fundadoras do Movimento Mulher 360 e é exemplo no desenvolvimento e retenção de mulheres na liderança. A gestora executiva do MM360, Margareth Goldenberg, esteve no evento e aproveitou a oportunidade para conversar com Luly.

Confira!

MM360 – Por que é importante para o negócio da J&J ter mulheres na liderança?

Luly: As mulheres são essenciais para nossa missão de criar um mundo com pessoas e comunidades mais saudáveis. Valorizamos a igualdade de gêneros e a diversidade desde a fundação da empresa, em 1886, quando 8 dos 14 funcionários eram mulheres. Para nós, a diversidade de pensamento é fundamental ao sucesso de negócios e o equilíbrio de gêneros na liderança resulta em melhor performance organizacional e mais entendimento do mercado para criarmos melhores soluções e produtos.  Globalmente, as mulheres são responsáveis por 80% das aquisições no setor saúde.  Uma organização que reflita sua base de clientes tem mais probabilidades de atingir as necessidades dos seus clientes, assim como desenvolver novas oportunidades de negócio, melhorando o rendimento financeiro e não-financeiro da mesma.

MM360 – Quais são as ações que a WLI J&J têm desenvolvido para promover a equidade de gênero na empresa?

Luly: Há mais de 20 anos temos um programa global voltado a estimular a liderança feminina e a inclusão, o grupo de afinidade WLI (Women’s Leadership and Inclusion). Este ano, estamos lançando novos pilares de atuação para o grupo, sendo eles: avanço de mulheres, inclusão e comunidade. Com base nesse tripé, temos implementado diversas ações, como o desenvolvimento de talentos femininos, promoção de eventos com exemplos positivos de lideranças femininas, combate aos vieses inconscientes e ações para promoção de equilíbrio entre vida pessoal e trabalho.

No Brasil, por exemplo, temos 100% da nossa liderança sensibilizada sobre vieses inconscientes e lançamos recentemente a licença paternidade estendida de 40 dias úteis (oito semanas) para pais e pais adotivos, tanto dos escritórios quanto da fábrica, com pagamento integral do salário, além de um programa de mentoring voltado para mulheres.

MM360 – Quais são os principais desafios para promover um ambiente mais equitativo quando se fala em gênero na organização?

Luly: Acreditamos que, além das políticas internas, existe uma questão cultural.  Nesse sentido, criar um ambiente interno inclusivo que estimule o avanço das mulheres é uma jornada que requer consistência.  Nosso foco hoje é trazer, cada vez mais, os homens e pessoas de diferentes gerações para a discussão, pois éimportante que esse seja um tema de todos e não somente do universo feminino.

MM360 – Poderia mencionar quais foram os avanços que a J&J alcançou em relação ao tema?

Luly: Desde o lançamento global, em 1995, o WLI tem continuamente ampliado suas ações em todo o mundo. Atualmente, este é o maior e o mais antigo grupo de afinidade da Johnson & Johnson, com aproximadamente 170 grupos em diversos países da Europa, América Latina e Asia-Pacífico.

No Brasil, passamos de 42% de mulheres em cargo gerencial e acima para 48% nos últimos 5 anos e as mulheres já são 66% dos jovens talentos, entre estagiários e trainees.

MM360 – Quais são os próximos passos e ações previstas para que as mulheres tenham maior representatividade em cargos executivos na J&J?

Luly: Vamos seguir focando em nossos três pilares de atuação, focando no maior engajamento dos homens e das novas gerações no debate. Trabalharemos na mudança cultural para que haja maior sensibilização, tanto de homens como de mulheres, para o equilíbrio da vida em família.

MM360 – Compartilhe uma dica de como as empresas podem avançar mais rapidamente no tema.

Luly: Destacaria a importância das empresas fazerem uma maior conexão desse tema com os seus propósitos. Quando falamos em sensibilizar novas gerações, essa conexão com o propósito é fundamental para gerar engajamento e uma transformação efetiva.