Ir para o conteúdo [1]

“Não tenham medo! Nós damos conta!”, diz Camilla Tapias, VP da Telefônica Brasil, às jovens mulheres que estão entrando no mercado de trabalho

Compartilhe:
Camilla Tapias, Vice-Presidente de Assuntos Corporativos da Telefônica Brasil

Camilla Tapias, Vice-Presidente de Assuntos Corporativos da Telefônica Brasil, é um exemplo de que a combinação mulher, profissional, mãe e esposa é totalmente possível no mercado de trabalho, mesmo em uma área predominantemente masculina. A executiva trabalha na empresa de telecomunicações há 16 anos, e hoje é responsável pelos setores Regulatório, Institucional, Sustentabilidade e Fundação Telefônica.

A Vice-Presidente conta como tem conseguido vencer desafios – de gênero, profissional e pessoal, usar das experiências passadas como motivadores para seguir em frente e poder consolidar a sua carreira com excelência.

Apesar de ser um exemplo de que é possível chegar aos cargos de liderança num mundo corporativo basicamente dominado por homens, Camilla deixa claro que as mulheres não devem temer uma vida profissional de sucesso, em qualquer área que desejem atuar.

Confira a entrevista na íntegra.

MM360: Quando começou a trabalhar na Telefônica Brasil? Em qual cargo?
Camilla: Comecei na Telefônica em 2002, como assessora do atual Presidente. Na época, ele era Vice-Presidente de Assuntos Regulatórios e Planejamento Estratégico. Alguns meses depois, fui promovida à Diretora de Assuntos Jurídico-Regulatórios.

MM360: Hoje você está em qual cargo? Qual é o principal desafio da sua função?
Camilla: Hoje sou Vice-Presidente de Assuntos Corporativos. Nessa Vice-Presidência estão Regulatório, Institucional, Sustentabilidade e Fundação Telefônica. Cada uma dessas áreas tem seu desafio e acho que o principal desafio geral é dar conta de todas as áreas com a profundidade que eu gosto de tratar os temas.

MM360: Como foi o seu desenvolvimento na empresa? Conte a sua história de desenvolvimento profissional.
Camilla:
Eu estou na empresa há 16 anos, então meu desenvolvimento profissional se confunde um pouco com o meu desenvolvimento na empresa. No início da minha carreira, trabalhei em escritórios de advocacia, com direito tributário, societário, contratos. Em 1998, estava trabalhando em um escritório que foi procurado pela MCI Communication Corporation, uma empresa americana de telecomunicações, para assessorá-la no leilão de privatização das empresas do Sistema Telebrás. Apesar de não saber nada de telecomunicações, eu falava bem inglês e, por isso, a MCI me convidou para morar em Washington para ajudá-los na avaliação da Embratel, que foi a empresa que eles acabaram comprando no leilão. Morei lá durante 2 anos e nesse período fiz também LLM (mestrado em Direito) na George Washington University. Quando acabei o mestrado, me mudei para o Rio de Janeiro para trabalhar na Embratel. Eu era uma advogada, muito nova, em uma empresa predominantemente masculina, de engenheiros que haviam se formado no ano que eu nasci. Foi bem desafiador. Mas muito bom. Uma boa escola. Depois de 3 anos na Embratel, vim para a Telefônica e cá estou há 16 anos. Ainda era muito nova quando cheguei e acho que a consolidação da minha carreira se deu aqui.

MM360: Quais foram os principais desafios pessoais e profissionais?
Camilla:
O principal desafio profissional foi conseguir consolidar uma carreira em um setor muito masculino, como é o de telecomunicações. E o desafio pessoal, acho que é o de todas as mulheres que trabalham e tem filhos: dar conta de tudo!

MM360: É casada? Tem filhos? Como foi o retorno da licença-maternidade e quais foram os principais desafios?
Camilla:
Sou casada há 22 anos e tenho 3 filhos: João Pedro (16), Luis Felipe (14) e Ana Helena (10). Fiquei em licença nas 3 vezes por 3 meses e quando voltei, trabalhei meio período por mais 3 meses. Achei que foi um bom acordo com meus chefes à época. Foi uma forma de voltar a trabalhar de forma mais gradual. Deu para amamentar até 9 meses os 3. É sempre difícil, uma correria, tem que ter muita vontade e muita disciplina, mas dá certo.

MM360: Quais iniciativas que a empresa ofereceu que ajudaram no avanço de sua carreira?
Camilla:
Muitos treinamentos e cursos, dentro e fora da empresa. Coaching, mentoring, todos os tipos de apoio estruturado. A Telefônica é uma empresa que dá valor a isso.

MM360: Acredita que as mulheres estejam mais empoderadas nas grandes empresas?
Camilla:
Sim. Hoje estão mais do que no passado, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido.

MM360: Na sua opinião, quais são os maiores desafios das mulheres nas empresas?
Camilla:
O maior desafio é não desistir. Acho que muitas desistem no meio do caminho frente aos obstáculos que encontram dentro das empresas pela dificuldade que é coordenar vida pessoal e profissional. As tarefas de cuidar dos filhos e da casa ainda recaem muito sobre as mulheres. Muitas desistem. Se o percentual de desistência não fosse tão grande, teríamos muito mais mulheres em posições mais altas nas empresas.

MM360: Deixe alguma dica ou recado para jovens mulheres que estão entrando no mercado de trabalho com ambição de chegar em cargos de liderança.
Camilla: Não desistam! Não tenham medo de querer ter uma vida profissional de sucesso! Nós damos conta de tudo!