Ir para o conteúdo [1]

Pesquisa revela preconceito no ambiente de trabalho em relação à mulher

Compartilhe:

O preconceito que as mulheres enfrentam no ambiente de trabalho foi um dos temas abordados na pesquisa “Viver em São Paulo: Mulheres”, da Rede Nossa São Paulo e do Ibope Inteligência, lançada em março deste ano. Ao todo, a pesquisa contou com 428 respondentes do sexo feminino. As entrevistas foram realizadas entre os dias 8 e 27 de dezembro de 2017, por meio presencial e online.

O estudo revela que duas em cada dez mulheres disseram já ter sofrido preconceito ou discriminação no ambiente de trabalho por serem mulheres, o chamado sexismo. Desse grupo, o índice aumenta para 35% das que têm Ensino Superior e para 32% nas que têm renda familiar acima de cinco salários mínimos. As menções aumentam quanto maior a renda familiar ou a escolaridade das mulheres.

A análise da pesquisa alerta que esse dado não significa que o preconceito contra a mulher é maior para as mulheres mais ricas e escolarizadas, mas sim uma tendência de que mulheres mais escolarizadas e com melhor remuneração consigam identificar com mais criticidade e facilidade situações ou casos de preconceito contra elas ou contra outras mulheres.

O dado varia, também, de acordo com as regiões da cidade. No Centro e na Zona Oeste, 28% das mulheres afirmam que já sofreram preconceito ou discriminação no ambiente de trabalho, enquanto na Zona Sul são 23% das mulheres que responderam de forma afirmativa a essa pergunta, 17% na Zona Leste e 12% na Zone Norte. Do outro lado, 76% das entrevistadas afirmam nunca terem sofrido preconceito no ambiente de trabalho.

Desemprego e preconceito

O contexto das mulheres em relação ao emprego é considerado mais grave do que o dos homens. Em relação aos dados analisados por gênero: do conjunto de desempregados em São Paulo, 6 em cada 10 deles são mulheres, ou 58% dessa parcela da população. Isso demonstra que o desemprego recai sobre os trabalhadores de forma diferente, incidindo mais nas mulheres do que nos homens.

Estatisticamente, isso significa 1 milhão de mulheres desempregadas na cidade de São Paulo. E, olhando para as mulheres nesta situação, a pesquisa revela que metade delas estão desempregadas há mais de 1 ano.

Com informações da Rede Nossa São Paulo.