Ir para o conteúdo [1]

“Jamais deixe alguém limitar o que você pode fazer e até onde pode chegar”, diz gerente da P&G

Compartilhe:

Trabalhar em uma empresa mais humana e que colabora para o equilíbrio entre vida pessoal e profissional de suas colaboradoras é o sonho de muitas mulheres. Desde 2013 na P&G, Daniela Rios se diz impactada positivamente pelas políticas da empresa que escolheu construir sua carreira como Gerente Sênior de Relações Governamentais.

Um fato que a surpreendeu logo quando chegou na P&G foi a resposta de uma Diretora de Finanças, reconhecida pelo brilhantismo profissional e grandes entregas. “Marcarmos a reunião mais cedo porque ela teria que ir à primeira apresentação de dança da filha. Confesso que aquilo me conquistou e me motivou a construir uma carreira na empresa. Ver que tem mulher competente, feliz e com vida fora do âmbito do trabalho em posições de liderança é uma força a mais para você ter certeza de que é possível chegar”, disse Daniela.

Hoje, grávida e cheia de planos pessoais e profissionais, Daniela conversou com o Movimento Mulher 360 sobre sua carreira, empoderamento, liderança, desafios do mercado de trabalho e muito mais. Confira!

MM360: Antes da P&G, você teve experiência em ser uma mulher em ambientes que, majoritariamente, são ocupados por homens. Como foi passar por essa situação?
Daniela: Tive diversas e ainda tenho! Iniciei minha carreira como a primeira trainee mulher no departamento jurídico de uma cervejaria. Depois, fui a única advogada para uma série de distribuidoras. Cheguei a ser 100% da bancada feminina como Presidente de Sindicato das Indústrias no Estado de São Paulo e atualmente estou em Conselhos da Indústria, Associações, Sindicatos e outros ambientes em que as mulheres ainda são a exceção.

MM360: Quais foram os principais desafios nessas experiências e como fez para superá-los?
Daniela: Acredito que os principais desafios tenham sido relacionados aos vieses inconscientes. Vou ilustrar com um exemplo emblemático: em certo momento da minha carreira, trabalhei na mesma empresa que meu marido e, ao ser promovida, o Diretor responsável me deu um aumento inferior ao que seria o previsto para aquele cargo. Quando o procurei, sua resposta foi “se eu te pagar um salário maior que o do seu marido, tenho certeza de que ele ficará ofendido e você terá um problema doméstico”. Na minha concepção, o importante é posicionar-se em situações como essa. Claro que você não irá convencer todas as pessoas do mundo sobre o que pensa, mas é importante dizer como se sente. Posições são contestáveis. Já os sentimentos não.

MM360: Como foi o seu desenvolvimento na P&G?
Daniela: Tenho a sorte de estar em uma empresa em que a diversidade é apreciada sob todos os aspectos. Temos uma liderança bastante equilibrada em relação a gênero e posso dizer que tenho pessoas maravilhosas a minha volta que me dão lições diárias. Quando cheguei para assumir parte das atividades de um colega, tive mudança de gestores e, no meu caminho, encontrei mentores brilhantes, oportunidades de exposição dentro e fora da empresa e muita confiança no meu trabalho. Essa confiança foi aumentando a cada conquista e, quando percebi, a área já estava sob minha responsabilidade. Acredito que isso aconteceu de forma natural já que meus valores estão em linha com os valores preservados pela empresa.

MM360: Quais foram os principais desafios pessoais e profissionais?
Daniela: Como grande parte do meu trabalho acontece fora da empresa, o meu grande desafio profissional é conviver com estágios diferentes de maturidade em relação à diversidade e tentar subir a barra em lugares em que sou a única mulher ou parte das poucas, já que o ambiente político ainda é predominantemente masculino. Não me orgulho em ser a primeira mulher em um lugar, mas sempre me orgulho em não ser a última! Não digo só em relação ao tema gênero, mas acredito que todo e qualquer tipo de diversidade gera riqueza – seja pelo número diferente de visões ou pelo estímulo ao debate.
Pessoalmente, posso dizer que tenho sorte de estar rodeada por bons exemplos familiares e jamais me sinto sozinha. Recebo aplausos e puxões de orelha em tempo integral. Por isso, eu me sinto cuidada, respeitada e confiante.
Meu trabalho me desafia, me faz estudar e me coloca em contato com pessoas que me ensinam muito. Posso contar nos dedos as vezes que me negaram dividir conhecimento quando o busquei.

MM360: É casada? Quais são os principais desafios e os planos em relação ao retorno da licença-maternidade?
Daniela: Sou privilegiada por ser casada com um marido maravilhoso, companheiro e parceiro de vida. Ele é especial demais e não só me faz mais feliz, mas também entende que grande parte dos meus momentos felizes vem com as minhas realizações profissionais. Nunca o vi enciumado por questões de trabalho, me sobrecarregando ou me fazendo sentir culpada por chegar tarde, estar em um evento ou reunião. Dividimos a vida, as tarefas, responsabilidades, sonhos e as realizações. Sobre a maternidade, posso dizer que estou encantada e entusiasmada. Valeu cada um dos esforços para isso.

Sempre acreditei que poderia escolher quando aconteceria e então percebi que não temos o controle sobre todas as coisas e que certas decisões pessoais não podem ser planilhadas. No fim, deu certo e posso dizer que só de sentir minha bebê se mexer na minha barriga, já esqueci todos os esforços dedicados para essa realização. Trabalho em um local de respeito ao equilíbrio entre vida pessoal e profissional, mas, pela carreira que escolhi, sei que tenho agendas e viagens de última hora.

Portanto, buscaremos (meu parceiro e eu) uma forma de nos organizarmos de acordo com o que a nossa filha melhor se adapte. Não largarei minha profissão de forma alguma, pois além dos exemplos positivos na família, acredito que serei uma mãe melhor sendo uma pessoa feliz. O trabalho de relacionamento e políticas públicas é muito gratificante. Tenho a chance de conviver com pessoas de culturas diferentes, pensamentos diversos e construir legado para meu país. Trabalhando, acredito que estou ampliando a forma de cuidado com as próximas gerações. Ao contrário do que alguns podem pensar, não estarei deixando de cuidar da minha filha. Estarei tentando atuar por um país melhor para ela também. Acho possível trabalhar presente e futuro simultaneamente.

MM360: Quais iniciativas que a empresa ofereceu e que ajudaram no avanço de sua carreira?
Daniela: Bons exemplos e abertura para falar o que se pensa foram fundamentais (seja em termos de estrutura, prioridades, forma, etc). A P&G é uma empresa em que as opiniões são ouvidas. Ter a confiança da liderança e respeito quando uma questão pessoal se torna a prioridade pelo momento é, sem dúvida, algo que me fez ter ainda mais vontade de contribuir para o crescimento dessa empresa e das oportunidades por ela oferecidas. Posso afirmar que as políticas para mulheres são extraordinárias e, já que falamos em maternidade, gostaria de dar um exemplo: além da licença-maternidade de seis meses, a mulher tem a possibilidade de tirar mais seis meses não remunerados, ou retornar pelos próximos seis meses trabalhando por meio período e meia remuneração. Além disso, voltando da licença, terei várias formas de suporte, inclusive sala de amamentação. Com certeza, os programas relacionados à área da saúde contribuem com o indivíduo e também com a organização. Na empresa, temos nutricionista, parcerias esportivas, suporte e incentivos para vivermos uma vida mais saudável sempre.

MM360: Acredita que as mulheres estejam mais empoderadas nas empresas?
Daniela:
Não acredito que o empoderamento feminino esteja ligado às grandes empresas ou a qualquer ambiente específico. Pode até ter relação ao espaço dado por uma cultura, mas não a um local. Aliás, temos milhares de exemplos de mulheres maravilhosas que mudam a sociedade por meio de suas ações individuais ou engajamento em causas. Ainda que a cultura e ambiente sejam hostis para elas, essas sim devem ser destacadas. Com a tecnologia atual, as mensagens e ações de mulheres empoderadas são ampliadas em velocidade rápida e passam a ser exemplo imediato. Muito mais empoderada que eu, uma mulher cheia de privilégios, que trabalha com os benefícios de uma grande empresa, pais dedicados, suporte familiar e rodeada por pessoas generosas, é aquela que sai de uma situação de abuso doméstico e diz “basta”. Por isso, na minha opinião, empoderada é aquela que acredita na sua própria força interna e age! As pessoas, em geral, são mais fortes do que imaginam.

MM360: Quais dicas você daria para jovens mulheres que estão entrando no mercado de trabalho com ambição de chegar em cargos de liderança?
Daniela: Hoje, diria para quem está chegando: não se esqueça que tudo é temporário, menos os seus valores. Esses são os que definem quem você é para sempre, ainda que você não esteja presente. Dedique-se e lembre-se que há dias difíceis para todos. Não importa a posição que ocupe. Um sucesso em uma atividade realizada no trabalho que você toma exclusivamente para si é algo temporário, frágil e sem grande importância. Portanto, não caia na armadilha da vaidade. Você não é o que é sozinha, mas porque recebe todos os dias um pouco de cada experiência. Por isso, retribua. Busque conhecimento, trabalhe com propósito, aproxime-se das pessoas, entenda que posicionamentos diferentes podem fazer coisas maravilhosas quando ambos os lados estão dispostos a entender razões, escute e divida o que sabe. Isso sim dá sentido, continuidade, gera legado e evolução. Jamais deixe alguém limitar o que você pode fazer, onde você pode estar, até onde você pode chegar. Você é dona dos seus sonhos e das suas realizações! Viva-os intensamente.