Ir para o conteúdo [1]

Como as empresas podem investir em equidade de gênero?

Compartilhe:

De acordo com a McKinsey Global Institute, em um cenário global em que houvesse equidade de gênero, cerca de 28 trilhões de dólares complementariam o PIB mundial até 2025.

Cientes do seu papel nesse cenário, ao apoiar mulheres e meninas, as empresas têm a oportunidade de potencializar a economia e transformar muitas vidas rumo à equidade de gênero. Alguns investidores operam ou financiam programas específicos ao público feminino. Outros asseguram que as necessidades e os interesses delas sejam representados e abordados em seus programas. Há os que fazem as duas coisas.

Esse alinhamento entre o investimento social privado, somado à equidade de gênero, faz parte do eixo de atuação do Movimento Mulher 360 nas comunidades e está relacionado ao princípio 6 dos Princípios de Empoderamento das Mulheres, os WEPs. Mas de que forma as empresas podem atuar nessa área?

Equidade na prática

Para esclarecer a parte prática do assunto, nós, do Movimento, respondemos algumas pergunta que podem surgir na sua empresa.

Por que adotar gênero como tema transversal para os programas já existentes pode ser interessante para as empresas?
Investidores sociais aprenderam, a partir da própria experiência, que os programas ou as políticas sem foco em igualdade tendem a ser menos eficazes do que os equitativos. Na ausência de uma análise de gênero, muitas vezes os projetos perpetuam ou negligenciam injustiças. A análise de gênero pode ajudar a identificar e corrigir esses problemas, contribuindo para a eficácia do investidor social.

Como dar o primeiro passo para aproximar o investimento social da minha empresa com a questão de gênero?
Seja um conselheiro, um CEO, um gestor sênior, um funcionário ou um assessor de um investidor social, sempre haverá ao menos um ponto de partida para influenciar a organização no envolvimento com mulheres e meninas. Você pode começar uma nova iniciativa, modificar um programa já existente, ou simplesmente convocar uma discussão informal com os colegas. Encontrar esse ponto de partida adequado é o primeiro passo. Há muitos aliados e recursos aos quais você pode recorrer nesse processo.

Diálogos entre Associados

No último encontro do Diálogos entre Associados, que aconteceu no dia 14/02, tivemos duas práticas de empresas que são referência no tema “Alinhamento entre Investimento Social Privado e Gênero”. O Itaú trouxe o case Itaú Mulher Empreendedora, já a Whirlpool, abordou o case Consulado da Mulher.

Além disso, contamos com a participação de Amália Fischer, coordenadora do Fundo Elas de Investimento Social. A convidada falou sobre a atuação da instituição e sobre a importância do investimento social privado no tema “gênero”. “É preciso que as empresas entendam que estamos lidando com pessoas, que elas são diversas e singulares ao mesmo tempo. Equidade de gênero tem que ser trabalhada com muito cuidado, dedicação e empatia pelas empresas”, destacou.

O Diálogos entre Associados é uma das atividades do Movimento Mulher 360 para estimular a discussão e as trocas de informações para potencializar a construção de inteligência coletiva e avanços das práticas empresariais.