Ir para o conteúdo [1]

Pesquisa mostra panorama atual da mulher brasileira e seus papéis na sociedade

Compartilhe:

Segundo a pesquisa “Brasileiras – como elas estão mudando o rumo do país”, 60% das brasileiras concordam que mulheres deveriam ocupar ao menos metade dos cargos de liderança nas empresas. Esse é um dos dados de destaque desse estudo inédito organizado pelo EL PAÍS, em parceria com o Instituto Locomotiva, e lançado no dia 2/12, durante o Seminário Brasileiras, em São Paulo.

O material, que traça um panorama atual da mulher brasileira e seus diversos papéis na sociedade sob o ponto de vista da população, contou com o patrocínio do Banco Santander e do Grupo Boticário (associados do Movimento Mulher 360), com o apoio da ONU Mulheres e da Camil. Ele teve a participação de 1.024 mulheres e 858 homens de todo o Brasil. As entrevistas foram realizadas em novembro deste ano.

Mas como aliar esse potencial de liderança à vontade de ser mãe e aos desafios do mercado de trabalho? No Brasil, há 60 milhões de mulheres mães e boa parte delas deixa de trabalhar porque não têm com quem deixar os seus filhos. Isso reflete na permanência das mulheres em seus empregos. O estudo mostra que 17% das entrevistadas que não estavam trabalhando apontavam como principal motivo a falta de estrutura para deixar os filhos. Já entre os homens, esse percentual é zero.

Desigualdades

A desigualdade de oportunidades no ambiente corporativo também apareceu na pesquisa. Ela revela que 68% das mulheres acreditam que o preconceito por parte dos seus chefes ainda é a principal barreira encontrada para assumir um cargo de liderança em uma empresa. Já 6% dos homens acham justo que as mulheres assumam menos cargos de chefia do que eles, já que podem engravidar e sair de licença-maternidade.

Ainda neste tema: três em cada dez homens concordam que é justo ter menos mulheres à frente de empresas porque elas podem engravidar e sair de licença-maternidade. A publicação afirma que dois em cada dez homens no Brasil afirmam que é “constrangedor” uma mulher ganhar mais do que um homem.